45 3039.5888

VOLTAR

Em fase de testes, inovadora terapia reduz tumor de mama triplo-negativo em 33%

5/03/2019
Você está em:
Home » Notícias » Em fase de testes, inovadora terapia reduz tumor de mama triplo-negativo em 33%

 

fbe5093c383685a2c635f66e6581a2d1_XL

 

Um dos mais desafiadores diagnósticos de câncer de mama é o triplo-negativo metastático, que tem baixa taxa de resposta aos tratamentos disponíveis. Há duas décadas que não há avanços nas terapias, mas um estudo publicado no The New England Journal of Medicine há aproximadamente duas semanas sugere que esse quadro pode mudar em breve. Pesquisadores de centros médicos nos Estados Unidos aplicaram, em mulheres com esse tumor, uma imunoterapia que vem sendo testada para diversos tipos cânceres e conseguiram sucesso em 33% dos casos, com remissão de, em média, sete meses. A quimioterapia convencional produz resultado em 10% a 15% das pacientes, que ficam até, no máximo, três meses livres da doença.

A droga que produziu os resultados descritos no The New England Journal of Medicine é a sacituzumab govitecan. De acordo com Dr. Gilberto Amorim, oncologista e membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), essa substância combina um anticorpo cujo alvo é o antígeno Trop-2, expressado pela maior parte das células do câncer de mama, e o SN-38, molécula produzida pelo quimioterápico irinotecan. Quando o anticorpo se liga às moléculas Trop-2, o medicamento é liberado dentro da célula doente, diretamente no tumor. “Esse tipo de anticorpo conjugado é conhecido em nosso meio como ‘Cavalo de Troia’, pois se liga à célula tumoral e libera a quimioterapia dentro dela”, explica Dr. Gilberto.

Os testes foram feitos com 108 pacientes de câncer de mama triplo-negativo metastático que já haviam sido submetidas a outros tratamentos. O sacituzumab govitecan reduziu a doença em um terço das participantes e, em 3% do total, produziu remissão total. “Os testes mostraram resultados muito importantes. 45% de benefício clínico e mais de 30% de respostas objetivas e duradouras no estudo Fase I/II, o que é comum com, em média, três quimioterapias prévias”, conclui Dr. Gilberto.

A terapia inovadora ainda está pendente de aprovação do Food and Drug Administration (FDA), órgão regulatório do setor de medicamentos nos Estados Unidos.