45 3039.5888

VOLTAR

Mulheres têm duas vezes mais chance de ter câncer de pulmão

28/11/2018
Você está em:
Home » Notícias » Mulheres têm duas vezes mais chance de ter câncer de pulmão

Mulheres fumantes são mais suscetíveis a ter câncer de pulmão do que homens

mulher_fumando

Mulheres têm duas vezes mais chance de desenvolver câncer de pulmão, de acordo com o oncologista Marcelo Cruz, colaborador do Oncoguia.

O dado será um temas debatidos no 2º Fórum Temático Oncoguia sobre Câncer de Pulmão realizado nesta terça-feira (27) em São Paulo.

Ele explica que, apesar da incidência desse tipo de tumor ser menor do que o câncer de mama em mulheres, é o que mais mata e está crescendo entre elas.

“A mulher que fuma tem maior risco de desenvolver câncer de pulmão do que o homem que fuma. Ainda não se sabe precisamente a causa, mas elas são mais suscetíveis à doença”, afirma.

O câncer de pulmão é o mais frequente e letal do mundo e o que mais mata no Brasil. No país, 8 em cada 10 pessoas com câncer de pulmão apresenta diagnóstico avançado, sendo apenas 10% passíveis à cura, de acordo com o oncologista. Como é silencioso, geralmente quando é descoberto está em estágio avançado.

“Tumores de órgãos muito internos, para os quais não existe método de rastreamento como pulmões, ovários e pâncreas, acabam sendo os mais letais”, explica.

Segundo ele, além da falta de detecção precoce, o câncer de pulmão é agressivo.“É a própria biologia desse tipo de câncer. As células se multiplicam e se espalham mais rápido quando comparadas a outros tipos de tumor”, afirma.

O oncologista ressalta que o raio X não é capaz de detectar o câncer de pulmão em estágio inicial. O método de rastreamento mais eficaz é a tomografia de tórax com baixa dose de radiação.

“Esse exame de rastreamento é indicado apenas para o grupo de risco, que são homens e mulheres acima dos 50 anos fumantes ou ex-fumantes, uma vez ao ano. A baixa dose de radiação é importante para evitar o risco da radiação da tomografia, já que o exame será realizado anualmente”, explica.

O principal fator de risco do câncer de pulmão ainda é o cigarro. Cerca de 90% das pessoas que desenvolvem esse tipo de tumor fumam ou já fumaram na vida, de acordo com o médico. “O risco da doença ainda existe mesmo após 10 anos de a pessoa ter parado de fumar”, afirma.

Segundo ele, tem chamado a atenção o crescimento do câncer de pulmão em não-fumantes. Na década de 1990, 90% dos casos do tumor eram de fumantes. Atualmente, 20% são de pessoas que nunca fumaram. “Tratam-se de fumantes passivos, de pessoas que vivem em lugares com muito poluentes, como na China, ou que estão expostas naturalmente ao radônio, o que é mais raro”, diz.

O oncologista destaca que tem havido também uma maior incidência desse tipo de câncer em pessoas entre 30 e 40 anos que nunca fumaram. “Diferentemente do câncer de mama, por exemplo, em que há um gene como o BRCA que determina a doença, o câncer de pulmão não é hereditário. Ele é causado por um conjunto de genes que não conseguem consertar os estragos celulares causados pelo tabaco”, afirma.

Quando os sintomas aparecerem – geralmente em estágio mais avançado da doença – são tosse seca, escarro com sangue, emagrecimento, falta de ar e dor nos ossos. Ao ser detectado precocemente, é geralmente tratado com remoção cirúrgica do tumor e quimioterapia. As metástases ocorrem nos ossos, fígado e cérebro.

O médico afirma que o tratamento para o câncer de pulmão foi um dos que mais avançaram nos últimos anos. “O câncer de pulmão foi o protótipo para a imunoterapia, grande divisor de águas no tratamento do câncer que consiste em estimular as células de defesa para o próprio organismo combater o câncer. Além disso, o sistema imunológico cria uma memória e continua combatendo o câncer mesmo após o fim do tratamento. A imunoterapia aumentou em 50% a chance de vida da pessoa com câncer de pulmão”, diz.

Segundo ele, como o uso da imunoterapia ainda é recente no Brasil – foi aprovado em 2016 – ainda não há uma repercussão significativa nas taxas de cura da doença.

Outro avanço no combate da doença é a biópsia líquida. Ainda em desenvolvimento, trata-se de um método de diagnóstico que analisa o DNA do tumor que circula no sangue. “Esse exame será importante para detectar o tumor precocemente e também para definir a terapia-alvo”, afirma.

“Para prevenir o câncer de pulmão, é fundamental saber que existe o rastreamento para o grupo de risco e parar de fumar, já que o cigarro aumenta a chance não só do câncer de pulmão, mas de diversos tipos de tumor. Já no caso de diagnóstico, a medicina de precisão é crucial para saber qual o subtipo do câncer de pulmão para se tratar a doença da melhor forma possível”, completa.

Conheça os sintomas dos principais tipos de câncer no Brasil:

Um consenso nos consultórios médicos é o de que nenhum tipo de câncer em estágio inicial apresenta sintomas, apenas aqueles em uma fase mais avançada — daí o desespero de quem se vê diante de algum sinal do corpo de que algum órgão não vai bem. Só que, para modificar a ideia de que os sintomas seriam uma prova definitiva de uma doença terminal, neste Dia Mundial de Luta Contra o Câncer, a oncologista clínica da Faculdade de Medicina da USP Ana Carolina Gouvêa explica que, mesmo em estágios avançados da doença, sempre haverá algo que possa ser feito.

— É claro que quanto antes o câncer for descoberto, maiores serão as chances de cura. Mas ter sintomas não significa que não há mais saída, porque sempre há alguma coisa que a medicina possa fazer. O ideal é sempre procurar um médico, e também fazer os exames preventivos, independentemente de sintomas ou não.

Só na América Latina, são diagnosticados 1,1 milhão de novos casos de câncer todos os anos, e 600.000 mortes de pacientes da doença. Conheça agora quais são os três tipos que mais afetam homens e quais mais afetam mulheres, e aprenda a ficar atento aos sintomas deles para se prevenir.

Câncer de próstata 

De acordo com dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer), estima-se que, no Brasil, só em 2016 serão diagnosticados 61.200 novos casos de câncer de próstata. Excetuando-se os tumores de pele não melanoma, este é o tipo de câncer que mais atinge homens em todas as regiões do país — a região Sul é a com maior registro, de 95,63 casos a cada 100 mil homens.

Ana Carolina Gouvêa recomenda que, a qualquer alteração na hora de fazer xixi ou sinal de dor, o homem deve procurar o quanto antes a orientação de um médico.

— Em alguns casos de câncer de próstata, o homem pode ter alteração do jato urinário. No entanto, a maioria dos casos deste sintoma está relacionada a causas benignas e não malignas. Outro sinal de um possível câncer de próstata também são as dores nos ossos.

Câncer de estômago

Este é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens brasileiros das regiões Norte e Nordeste, o quarto mais frequente nas regiões Sul e Centro-Oeste, e o quinto da região Sudeste. De acordo com as estimativas, 12.920 novos casos de câncer em homens serão diagnosticados ainda este ano – entre as mulheres, o número deve ser de 7.600.

— Os sintomas mais comuns são perda de peso, sensação de plenitude no estômago, quando o paciente come e se sente satisfeito. Também temos queixas de que a comida fica “voltando”, além de episódios de vômito constante.

Câncer de pulmão 

Este tipo de câncer é o segundo mais frequente entre os homens das regiões Sul e Centro-Oeste, e o terceiro mais comum na população masculina do Sudoeste, Nordeste e Norte. Já entre as mulheres brasileiras, é o terceiro câncer mais incidente na região Sul, quarto nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste, e quinto na região Norte.

Até o final do ano, a estimativa é de que 17.330 homens sejam identificados com câncer de pulmão, e 10.890 mulheres também recebam este diagnóstico. Entre os seus sintomas estão falta de ar, perda de peso, dor torácica constante e tosse frequente. A oncologista da Faculdade de Medicina da USP fala que, entre as medidas de prevenção, a maior delas está na decisão de abandonar o cigarro.

— Evitar o tabagismo é fundamental. O fumo está altamente ligado a diversas formas de câncer, especialmente ao câncer de pulmão. É associado disparadamente, e é totalmente evitável.

Câncer de mama

É o câncer de mama com o maior número de casos disparado no Brasil — exceto na região Norte, onde ele é o segundo mais frequente. Para 2016, são esperadas 57.960 novas pacientes diagnosticadas com câncer de mama no País, com um risco estimado de 56,20 casos a cada 100.000 mulheres.

— As mulheres devem ficar atentas a nódulos na mama ou nas axilas, e à saída de algum tipo de secreção pelo mamilo. Uma eventual vermelhidão na mama também pode ser um sintoma, mas nem toda é sinal de câncer. A maioria costuma ser apenas uma mastite.

Câncer de colo do útero

Este é o câncer com mais casos na região Norte do Brasil, o segundo no Centro-Oeste e Nordeste, o terceiro no Sudeste e o quarto na região Sul. É possível que, até o final de 2016, 16.340 mulheres sejam diagnosticadas com câncer de colo de útero. A médica Ana Carolina Gouvêa relata os principais sintomas desta forma da doença.

— É comum que a mulher apresente corrimento fétido, sangramento vaginal espontâneo ou após a relação sexual, e dor na região baixo do abdômen

Fonte: R7